« Home | Meu voto é nulo e eu não sabia! » | "O JURO CIVILIZADO" » | Política e o Coeficiente Eleitoral » | A esquerda contra-ataca » | Crítica à Esquerda Brasileira » | Precisamos de um governo corrupto » | Argentina Na Copa » | Copa da Globalização » | Estaríamos preparados para votar? » | Frases feitas, frases de efeito. »

Hipocondria Ambiental

Bom. Como eu já tinha dito no meu comentário de ontem, eu estava sem nada para postar. Por isso, perdoem um texto feito as pressas e talvez sem a qualidade dos textos dos meus companheiros de blog. Grato pela compreensão.

Hipocondria Ambiental

Hipocondria: (adj.) estado melancólico em que a pessoa se julga afetada por doenças imaginárias; misantropia;

Diariamente vemos nos meios de comunicação o anúncio do apocalipse. Somos todos os dias bombardeados por informações a respeito dos males que o homem vem causando à natureza e como tais males trarão drásticas consequências para nossa existência. O aquecimento global, a poluição dos rios, os grandes desmatamentos, o buraco na camada de ozônio, o efeito estufa, a emissão de gases poluentes, a contaminação por metais pesados, enfim, são tantas as doenças que nosso planeta está fadado à morte.

Mas, será mesmo que a coisa é tão séria assim? Talvez o mundo não esteja assim tão doente. Talvez os ambientalistas sejam meio hipocôndrios. Quero dizer, eu nasci em 1988. Tenho portanto 18 anos. Há 18 anos escuto o mesmo papo de que o mundo vai acabar se as coisas não mudarem em relação ao meio-ambiente. Há 18 anos as coisas não mudam, e o mundo não acaba. Há 18 anos vejo o aquecimento global ser uma preocupação; há 18 anos também, não noto o aumento de 1ºC sequer, na minha vida cotidiana. Há 18 anos o buraco da camada de ozônio cresce; e ainda não está grande o suficiente para que os malvados raios ultra-violetas destruam nossa querida Terra. Há 18 anos milhares de animais estão em processo extinção e, por incrível que pareça, ainda não foram extintos! Gases e mais gases poluentes foram emitidos nesses 18 anos e, ainda assim, nós e os outros animais conseguimos respirar e extrair oxigênio com fartura do ar atmosférico. -exceto as pessoas que moram em São Paulo, que não têm tanta fartura assim-

Além de tudo, temos muita coisa já com as quais nos preocupar, além da natureza. O aumento no preço do pão e do leite, ou da gasolina, faz muito mais diferença na vida prática do que a extinção de uma espécie raríssima de borboletas estéreis do Afeganistão. Temos que nos preocupar com a pressão seletiva que age sobre nós mesmos. Cada um de nós tem que lutar todos os dias para não ser extinto, e isso é mais importante do que as maritacas e as borboletas, por mais que elas sejam delicadas e bonitinhas.

Tudo bem que o meio-ambiente merece certa atenção para que a saúde e a sobrevivência do planeta seja garantida, mas esse alarde ambiental está sendo um pouco exagerado. Anunciar catástrofes climáticas e apocalipses repetidamente na mídia não vai mudar muita coisa. Se, inexorávelmente todos os dias, ao sentarem em seus sofás para assistir ou ler o jornal, as pessoas se depararem com o fim do mundo, elas se acostumarão com isso, e não levarão o assunto tão a sério quanto ele merece ser tratado. É preciso que os problemas ambientais se tornem realmente um problema na vida das pessoas, para que elas façam algo para mudar a situação. Se faz parte do cotidiano ter problemas ambientais, as pessoas os aceitam passam a conviver harmoniosamente com eles.

Psicanalistas afirmam que a hipocondria é um problema gerado pelo constante ócio ao qual algumas pessoas se submetem. Por isso o problema é frequentemente apontado em aposentados, que, já sem as preocupações com o contracheque, muitas vezes acabam por cair na "falta do que fazer". Talvez então, seja hora de muitos ambientalistas ociosos encontrarem mais o que fazer e parar de fazer papel de mensageiro do apocalipse 24 horas, e anunciá-lo só quando ele realmente chegar, se é que isso vai acontecer.

Gostei do texto !!

Bom, primeiramente gostaria de lhe dizer que esses "problemas" que a midia impõe a nós são assustadoramente maiores do que de fato são. Talvez por pressão política ou questão de finança, a imprensa mundial insiste em divlugar coisas que não acontecerão, pelo menos não nos róximos 10 milhões de anos. A história da humanidade se julga toda vez que a mídia tenta exercer um papel que não é dela. Vejamos por exemplo, o caso do BUG DO MILÊNIO, toda a imprensa mundial, divulga que na virada do milênio todos os conputadores do mundo pifariam devido a um "bug" que segundo eles era indestrutivel. E o que aconteceu ?? Nada ! Isso mesmo, nada. O milênio virou e com ele a evolução continuou.

Mais fácil é falar do que irá acontecer se nao fizermos isso ou aquilo, dificil é tomar alguma posição em relaçao a isso. A mídia está tentando fazer com que as pessoas acreditem nela. Se isso acontecer, elas ganham mais dinheiro. Mas nao é bem assim. O mundo nao vai acabar assim tão cedo. Como eu disse, não pelos próximos 10 milhões de anos. A camada de ozônio vai aumentar ? Isto é óbvio. Mas o que dizer entao sobre a fome ?? A fome no mundo vai acabar ?? É, nao parece tão óbvio agora! O problema da AIDS na África e também no mundo todo, vai acabar ?? Não tão cedo. Vai se achar a cura para o cancêr? Talvez.

Existem problemas muito maiores do que ambientais em vigor. E existem mesmo. Eles estão por toda parte, seja a violência no Brasil, as guerras no Oriente Médio, a ameaça de guerra nuclear no Mar do Japão, os atentandos terroristas.Temos que nos preocupar com o agora e não com o que PODE acontecer.

É preciso cuidar do meio ambiente ? Sim, claro. Mas há muito mais para se cuidar: do povo, por exemplo.

Foi mais ou menos isso que eu quis dizer com esse texto :P

Eu acho a posição do autor um absurdo.

Tudo bem que existe um sensacionalismo ao anunciarem "catástrofes ecológicas", mas o mundo está morrendo muito mais rápido do que se imagina... e não me refiro às formigas raras da Namíbia.

Queria ter lido esse texto antes para dar corda a essa discussão, tambem acho um absurdo o que foi falado. Temos muita a conversar pra tentar encontrar alguma resposta.

Putz!!! Que babaca! Tomara que você consiga chegar pelo menos aos 20 anos de idade para sentir na pele a mudança que vem ocorrendo no planeta. E tomara que a sua morte seja por câncer de pele (por causa dos malvados raios ultravioletas) ou por afogamento devido a uma inundação por conta do aquecimento global. Quem sabe assim você perceba que nesses seus longos 18 anos muita coisa mudou no mundo.

Desculpa pessoal! Perdi o controle! Mas é que dá uma baita raiva de saber que existem pessoas que ainda pensam dessa maneira, principalmente um jovem de 18 anos. Se a juventude é o futuro e se ela pensa dessa forma, então estamos todos f.....

Postar um comentário

Links to this post

Criar um link

Powered by Blogger
& Blogger Templates




eXTReMe Tracker