« Home | Sociedade » | A réplica de Goethe » | Olá pessoas. Não pretendo levar muito tempo aqui. ... » | A greve das prostitutas » | Nem tudo é um conto de fadas » | Maquiavel ainda vive? » | Redução da Maioridade Penal - A Moda da Vez » | “ Todo carnaval tem seu “fim” ” » | A maçã vermelha » | Férias de um Marxista Pós-Moderno em Crise Existen... »

A cidade que ninguém vê

Entre a dificuldade de enxergá-la e o desafio de superá-la

A cidade que ninguém vê está extremamente presente em nosso cotidiano. Está à margem das grandes vias, parada nos sinais, subindo altos morros, atenta nos estacionamentos ou até mesmo disfarçada pelas grandes distâncias que a afasta das outras diversas cidades.

Ela não é única, não existe uma cidade que ninguém vê, ela é uma parte, uma face de todas as cidades de nosso país de contradições.

Apesar de estarmos a todo o momento em contato com estas cidades insistimos em fechar os olhos diante de suas existências. Não queremos enxergá-las, a presença delas nos incomoda, nos tira o sono, não por sermos sensibilizados pela realidade delas e sim, porque temos medo, desconfiança e receio de um dia viver em um mundo tomado por elas.

Insistimos em culpar governos, países e pessoas pela natureza e crescimento de cada uma delas, mas prosseguimos convivendo aos seus lados a cada dia se acostumando com isso e tomando como normal o fato de elas existirem.

As cidades que ninguém vê necessitam de bem mais que nosso desprezo. Precisamos ter coragem de encarar o fato de que elas fazem parte da nossa realidade e é também nosso o dever de mudá-las.

É importante olharmos muito além da nossa individualidade, mudar o foco do nosso olhar, temos que enxergar melhor nosso presente, dar profundidade a nossa visão e só fecharmos os olhos quando tivermos a certeza da beleza daquilo que vemos.

Não postei anteriormente este texto porque o escrevi para partcipar do Concurso Diálogos Universitários cujo tema era "A cidade que ninguém vê".
Após saber que o concurso havia sido cancelado por falta de trabalhos suficientes para concorrer com o meu e que eu havia ganhado um kit do evento e um livro dos palestrantes autografados por eles decidi compartilhar com todos vocês, caros leitores, minha pequena obra que, na minha opinião, merecia assim mesmo, o mp3 que era junto a aquilo que ganhei o brinde do primeiro lugar.
Lamento, fazer o que né?!

excelente texto...gostaria de solicitar q fosse incluido nos links da parede o blog máquinas macias (maquinasmacias.blogspot.com) de responsabilidade do nosso grande amigo willer lopz, blog esse q tem como intuito postar os melhores álbuns segundo o julgamento do prórpio willer e na medidas do possivel com alguns comentarios meus sobre cada album...e, por favor visitem!!

Gostei muito do texto do Marcelo, também acho que merecia o mp3.

Também sou a favor da inclusão do blog do "nosso grande amigo Willer Lopz", como disse Carlos. Visitá-lo-ei.

Estou devendo um texto.

(Gostaria de me desculpar pelos erros cometidos no meu primeiro comentário. Exagerei nas vírgulas, dei continuidade onde não devia etc)

A Cidade que ninguém vê está oportunamente abordada, assunto tão recorrente e tão ignorado. Insolucionável? Prefiro crer que não! Mas será que o conhecimento de tamanha exclusão continuará tão somente nas esquinas que nossos olhos instintivamente desviam ou mesmo criticada em portas de banheiros? Gostei muito do texto, talvez não tanto pela realidade mas pela angústia que esta me gera, angústia que me faz crer que é preciso agir!!

Postar um comentário

Links to this post

Criar um link

Powered by Blogger
& Blogger Templates




eXTReMe Tracker