« Home | Férias de um Marxista Pós-Moderno em Crise Existen... » | Nobres campos ... » | Por que o Brasil não cresce? » | Nada de novo. » | Punição » | Por que Saddam morreu? Quem matou? » | Contagem Regressiva » | Beethoven: um gênio incansável » | Novo layout » | COMPRE TUDO À VISTA »

A maçã vermelha

Antes de mais nada, peço desculpas pelo meu atraso, mas ele é justificado, aparentemente eu não estava conseguindo postar por causa da versão do Blogger, que eu atualizei para o Google e o Blogger falava que eu não podia mais postar aqui pois aqui ainda é uma versão antiga. De qualquer jeito, cá estou.

Eu acredito que essa matéria tenha um efeito maior ao ler escutando a seguinte música, sendo que no momento que pensei em fazer esse texto essa música estava presa em minha mente e percebi que combina, então aproveitem a trilha sonora.



No Natal de 2006, eu liguei para um amigo meu com o qual não falava faz mais de oito meses. Foi uma conversa estranha, algo que eu não estava esperando. Antes de eu dissertar sobre a ligação, deixe-me narrar um pequeno resumo de nossa amizade. Eu conheci ele na 7ª série e ele saiu no final da 8ª série, e faziamos coisas bem idiotas, tipo bricar de luta de réguas no meio da aula, repetir movimentos Jackass, dançar uma dança sincronizada do "Stayin' Alive" do BeeGees, assistiamos Hermes & Renato e os idolatravamos, sem contar que nossa grande paixão, além das japas gostosas da nossa sala, era o Star Wars. Chegamos até a gravar um vídeo de uma luta Jedi, mas a gente gravou mal e não combinou direito onde começava o sabre e ficou um cú para editar o filme. Bem, agora, a ligação. Eu perguntei como ia a vida, e todas aquelas perguntas de praxe para prolongar a ligação. Ele me disse que mudou. Que a vida agora era baladas, tinha se cansado de Star Wars, e que a vida agora era assim. Mas será que é bem assim?

Eu fiquei semanas me perguntando, quando alguém amadurece, seus sonhos e gostos devem mudar? Meu irmão, com 27 anos, casado e com um belo emprego, e ainda gosta de animes, e baixa direto, ainda hoje. Eu considero meu irmão o oposto de um nerd sem vida do estereótipo "Seth Cohen". Se for assim, pensava eu, "eu não quero crescer". Eu penso que se você se diverte, é o que importa. Não porque algo recebe um rótulo de infantil é que deve ser banido dos adultos. Porra, eu adoro quase todos os "Power Rangers" e "Os Padrinhos Mágicos", me cago de rir.

Mas aí tocou o sino da verdade. Quando eu descobri que não vou passar tanto tempo com meus melhores amigos como eu planejava (um dificilmente vai entrar na mesma faculdade que eu, e a outra, uma das minhas únicas amigas, vai pra Florianópolis), eu entrei em pânico. Amadurecer não é mudar os ideais e os sonhos. Amadurecer é perceber que sua vida daqui pra frente vai ser completamente diferente. Reviver o passado será o seu maior desejo. Tudo começa com um turbilhão de emoções: medo, alegria, susto, nostalgia e tristeza. O pacote vem tudo de uma vez, será algo horrível e aliviante ao mesmo tempo.

Eu passei minha vida inteira com uma repressão aos sentimentos. Mas agora penso, é melhor sentir alguma coisa do que não sentir nada. Sintam. Vivam. Não se reprimam. Não tenha medo de chorar quando vê algo triste como "Titanic" ou "Hulk" (tristeza de assistir). Pois no futuro, o que você vai ver ao olhar para trás será os melhores dias de sua vida.

Para que entendam melhor, apreciem a letra de "Hurt", uma das últimas músicas que Johnny Cash (re)gravou no final de sua vida.






Johnny Cash - Hurt
Eu me feri hoje
Pra ver se eu ainda sinto
Eu focalizo a dor
É a unica coisa real
A agulha abre um buraco
A velha picada familiar
Tento matá-la de todos os jeitos
Mas eu me lembro de tudo

O que eu me tornei?
Meu doce amigo
Todos que eu conheço vão embora

E você poderia ter tudo isso
Meu império de sujeira
Eu o deixaria para baixo
Eu o faria sofrer
Eu uso essa coroa de espinhos
Sentando no meu trono de mentiras
Cheio de pensamentos quebrados
Que eu não posso consertar
Debaixo das manchas do tempo
Os sentimentos desaparecem
Voce é outro alguém
Eu ainda estou certo disso

O que eu me tornei?
Meu doce amigo
Todos que eu conheço vão embora

E você poderia ter tudo isso
Meu império de sujeira
Eu o deixaria para baixo
Eu o faria sofrer
Se eu pudesse começar de novo
A milhões de milhas daqui
Eu poderia me encontrar
Eu poderia achar um caminho...


Espero que eu tenha conseguido expressar o que eu senti nessas últimas semanas pós-formatura. Caso contrário, bem-vindo ao espírito atormentado de um saudosista adolescente.

Todos iguais cara... somos todos iguais...

Gostei muito do seu texto. Muito mesmo. Passei e ainda passo por grande parte dos sentimentos que você descreve.

Um detalhe importante sobre os amigos. Não se preocupe se não vai mais vê-los tanto quanto vê hoje. Na era do orkut e do msn isso só é um problema se deixarem que seja. Amigos vêm e vão o tempo todo (na verdade, até acho que vêm mais do que vão), e não são alguns meses nem algumas centenas de quiômetros que vão lhes jogar no limbo do esquecimento.

E é isso, boa sorte...

A galera da parede que o diga! Temos, atualmente, sem contar o David e o Ygor que eu não sei aonde moram:

1 no Rio de Janeiro
1 em Belo Horizonte
1 em Brasília
1 em Viçosa/MG
1 em Ouro Preto/MG

e continuamos amigos. :P

snif snif...
T_T

Podemos até dizer que a parede é um blog de nível nacional, por que não?

Daqui a pouco a globalização tomará conta da parede também...

Postar um comentário

Links to this post

Criar um link

Powered by Blogger
& Blogger Templates




eXTReMe Tracker